As sem-razões da sobrevivência

Sobrevivemos pois temos razões para isso
Temos braços e pernas e ombros para chorar
Para nos acolher, diariamente
Temos olhos e ouvidos que nos escutam
Temos bocas que nos beijam, que nos falam palavras doces
E verdadeiras
Que alimentam nosso ego, nossa sabedoria,
Imaginação e fé
Temos mãos que nos pagam por serviços prestados

Sempre haverá algo ou alguém para nos confortar, nos acolher
Haverá um olhar, um som, uma palavra
Que servira e substituirá como um abraço, um beijo, um pagamento

Deus faz tudo isso e não nos cobra nada

#CCS

OBS: O título dessa poesia é uma brincadeira com as “Sem-razões do amor”, de Carlos Drummond de Andrade

Anúncios

Flor do Sertão

Não me olhe assim
Eu não mereço suas ofensas
Suas ironias
Regue seu jardim
Com humildade e solidariedade
Perceba que há um mundo lá fora
Que espera muito mais
Muito mais que arrogância

Somos soldados de um lado só
Causas diferentes
Vidas diferentes
Não queira que todos sejam sua semelhança
Porque não serão

Mude a si primeiro
Para mudar o mundo depois
Desse chão seco pode brotar vida
Ajude os outros com gentileza

Depois da tempestade vem o arcoíris

#CCS

Pais e filhos

Para compreender os pais é preciso ter filhos. ~ Sofocleto

Ainda não sou mãe, portanto não tenho o ‘sentimento maternal’ desenvolvido. Mas é notório que algumas mães protegem tanto seus filhos que dariam sua própria vida a favor deles. Eu entendo que seu filho é parte de você, que segundo nossos instintos devemos protege-los mesmo que isso custe alto. Será mesmo?

Em uma outra análise devemos nos lembrar que os pais devem preparar (e preparar-se também) seus filhos para a vida, não para si próprios. Esse é um assunto muito delicado pois envolve sentimentos, estruturas familiares etc., mas não podemos deixa-lo de lado.

Quando alguém aceita ‘viver a vida pelo outro’, isto é, deseja que o sofrimento (natural da vida) alheio fosse transferido para si, creio que está cometendo um erro.

Veja os comentários do psicólogo mineiro Leônio Tomaz:

As mães super protetoras geram filhos inseguros e instáveis, porque está sempre protegendo de tudo e ao mesmo tempo, nunca está errado. Só que num certo ponto, a mãe protege tanto o filho que ele não aprende a se proteger.

Minha sugestão é que essa mulher confie e direcione esse amor. E que traga segurança ao lar que vive e não tenha medo de dizer não, porque ao contrário do que muitos pensam, o ‘não’ traz segurança.

Fonte: Folha de Guanhães; por Samira Cunha

Assim, Leônio Tomaz informa as mães que essa culpa não é necessária e que é possível amar e corrigir.

Entendo que educar, amar e corrigir são tarefas extremamente difíceis e que apenas uma mãe ou um pai podem realiza-la seguramente, afinal, faz parte do seu papel.

Saber qual a maneira mais adequada de lidar com os filhos pode ser encontrada em manuais, livros, sites etc., mas apenas vivendo a situação será possível saber qual a melhor forma.

Sei que posso passar por uma situação similar, mas espero ter o mesmo pensamento de agora: criamos e preparamos nossos filhos para viver a vida, que é tão bela. Devemos estar sempre ao lado deles, mas não podemos querer viver a vida por eles. Momentos difíceis fazem parte da vida e nos ensinam muitas coisas, assim, também ensinarão nosso filhos. Todos nós somos responsáveis por nossos atos. Quando nossos filhos chegam à fase adulta, está na hora de “soltarmos mais um pouco as mãos” e deixa-lo viver. Deixe-o tranquilo, pois sempre que ele precisar, poderá pedir um conselho ou uma ajuda sua, mas não que viva a vida por ele.

Algumas frases interessantes sobre pais e filhos:

A verdade é que a gente não faz filhos. Só faz o layout. Eles mesmos fazem a arte-final. ~ Luís Fernando Veríssimo

(Deus)… nunca perturba a alegria dos seus filhos se não for para lhes preparar uma mais certa e maior. ~ Alessandro Manzoni

Pais e filhos não foram feitos para ser amigos. Foram feitos para ser pais e filhos. ~ Millôr Fernandes

Os nossos pais amam-nos porque somos seus filhos, é um fato inalterável. Nos momentos de sucesso, isso pode parecer irrelevante, mas nas ocasiões de fracasso, oferecem um consolo e uma segurança que não se encontram em qualquer outro lugar. ~ Bertrand Russell

Nossos filhos não são nossos. Eles são filhos da vida ansiando pela vida. ~ Friedrich Nietzsche

Espero que tenham gostado dessa reflexão e deixem comentários se possível com sua opinião.

Esse verbo viver…

Uma vida não questionada não merece ser vivida. ~ Platão

Quantos de nós não se sentem como peixes fora d’água, estranhos no ninho? Muitas vezes eu me sinto assim, uma estranha dentro de um corpo, dentro de uma vida.

Por que é tão difícil fazermos aquilo que sabemos que temos que fazer? Temos a consciência que a mudança é necessária, que ela exige paciência, mas por que somos tão ansiosos e medrosos, tão carentes de amigos e amores?

Temos tantas ‘necessidades’… Aliás, alguns ainda tem salvação. Impressionante como alguns de nós tem paciência, serenidade para esperar o momento certo para tudo… E esses são os mais felizes (ao menos parece).

Por que nos preocupamos com tantas coisas pequenas e bobas, sendo que temos um mundo em constante guerra, pessoas que morrem, veem suas famílias morrem, tem fome, sede, seja de alimento ou de cultura, ou de vida!!!

Mas ainda sim, sabendo de tudo isso, continuamos errando e errando. Até quando?

Esse verbo viver é o mais difícil de ser conjugado. Quem realmente sabe viver? Quem erra ou quem acerta? Ou os dois?

Espero ter um dia um pouco mais de sabedoria para entender tudo isso. Eu sei, eu sei, é vivendo que se aprende a viver.

Pronto, talvez eu tenha achado a resposta que gostaria.

#CCS

O paradoxo do nosso tempo, por George Carlin

Nós bebemos demais, fumamos demais, gastamos sem critérios, dirigimos rápido demais, ficamos acordados até muito mais tarde, acordamos muito cansados,lemos muito pouco, assistimos TV demais e rezamos raramente. Multiplicamos nossos bens, mas reduzimos nossos valores. Nós falamos demais, amamos raramente, odiamos freqüentemente. Aprendemos a sobreviver, mas não a viver; adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos.
Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho.
Conquistamos o espaço mas não o nosso próprio.
Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores.
Limpamos o ar, mas poluímos a alma; dominamos o átomo, mas não nosso preconceito; escrevemos mais, mas aprendemos menos; planejamos mais, mas realizamos menos.
Aprendemos a nos apressar e não, a esperar.
Construímos mais computadores para armazenar mais informação, produzir mais cópias do que nunca, mas nos comunicamos menos.
Estamos na era do ‘fast-food’ e da digestão lenta; do homem grande de caráter pequeno; lucros acentuados e relações vazias.
Essa é a era de dois empregos, vários divórcios, casas chiques e lares despedaçados.
Essa é a era das viagens rápidas, fraldas e moral descartáveis, das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas “mágicas”.
Um momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na dispensa.
Uma era que leva essa carta a você, e uma era que te permite dividir essa reflexão ou simplesmente clicar ‘delete’.
Lembre-se de passar tempo com as pessoas que ama, pois elas não estarão por aqui para sempre.
Lembre-se dar um abraço carinhoso num amigo, pois não lhe custa um centavo sequer.
Lembre-se de dizer “eu te amo” à sua companheira(o) e às pessoas que ama, mas, em primeiro lugar, se ame… se ame muito.
Um beijo e um abraço curam a dor, quando vêm lá de dentro.
O segredo da vida não é ter tudo que você quer, mas Amar tudo que você tem!
Por isso, valorize o que você tem e as pessoas que estão ao seu lado sempre.

Esse texto maravilhoso foi encaminhado pela minha super amiga Fabí Morais. Muito obrigada!!!

Saudade

Se eu fechar meus olhos, posso ir a muitos lugares, posso ir até aonde meus pés sozinhos não consegueriam chegar. Pensamento voa longe, voa perto, aproxima-se de Deus. Sinto o cheiro do mar, o vento da estrada, o gosto da chuva. Minhas asas me levam para onde eu sonhar.

Mas alguns lugares são difíceis de chegar. Lugares esses que nossos credos e crenças formam um ponto de interrogação. No que acreditar?

Lembro-me do toque das suas mãos, do seu abraço acolhedor. Quero esquecer-me dos momentos ruins. Pronto. Lembro-me do seu sorriso suave e de sua risada contagiante.

Viajar para sua casa era um sonho que muitas vezes tornou-se realidade, e foi vivido da melhor forma, tornando-se as melhores lembranças.

Vó, a senhora se foi a alguns anos, mas ainda há um espaço enorme em nossos corações que estão saudosos e sabem que um dia vão te encontrar. Seja em sonho, seja da forma que for. A senhora faz muita falta.

Sabemos que está acolhida nos braços do Pai e que está sendo bem cuidada.

Vó, te amamos. Sempre.

Como é por dentro outra pessoa
Quem é que o saberá sonhar?
A alma de outrem é outro universo
Com que não há comunicação possível,
Com que não há verdadeiro entendimento.

Nada sabemos da alma
Senão da nossa;
As dos outros são olhares,
São gestos, são palavras,
Com a suposição de qualquer semelhança
No fundo.

Fernando Pessoa, 1934

Como é por dentro outra pessoa…, por Fernando Pessoa