Os chefes também choram

Um chefe é um homem que precisa dos outros. ~ Paul Valéry

Um chefe é um homem que precisa dos outros. ~ Paul Valéry

Pois é, muitos não sabem, mas os chefes também possuem sentimentos. Apesar de receberem uma remuneração maior que a sua (as vezes bem menor do que a especulada), eles também são seres humanos. Um chefe também dorme (muitas vezes pouco), acorda (as vezes mau humorado), vai ao banheiro, namora, ama, sofre, chora, tem medo, come (muitas vezes não tira horário de almoço), enfim, tem uma vida.

Os líderes também são cobrados – aliás, e muito – e com muita intensidade. São responsáveis por várias atividades que muitas vezes não são somente as que você desempenha.

Mas ok, ok, eu mencionei LÍDER. Nem sempre um chefe é um líder, eu entendo. Porém caro leitor, eu posso lhe assegurar não é nem um pouco fácil servir completamente os funcionários e manter um ambiente harmonioso. Não é… Mas também não é impossível.

Ainda assim, eu gostaria de ir um pouco além.

Quando nos encontramos em uma posição operacional, isto é, com atividades préviamente definidas, horário de entrada e saída definidos e seguidos, a visão é uma. Quando você encontra-se em uma posição decisora o “negócio” muda.

Muitas vezes não entendemos porque nossos chefes tem atitudes que nós imaginamos como ações totalmente incoerentes e que nos prejudicam de alguma forma. Amigos, quando uma bomba cai em suas mãos e você precisa tomar uma decisão e definir uma estratégia “para ontem”, muitas vezes você erra, mas acerta também. É preciso analisar de forma coletiva, mas nem todas as ações conseguem beneficiar todos da mesma forma.

Bom, para não dizer que estou “puxando a sardinha” para o meu lado, busquei na internet algumas dicas interessantes para você entender melhor seu chefe e ter um bom relacionamento com ele:

1) Mantenha a calma: serenidade e controle neste momento são fundamentais, partindo-se do princípio que, já basta um descontrolado.

2) Ouça e tente entender a situação: Ouça o que seu chefe está dizendo (mesmo que seja aos gritos), deixe ele expor seu ponto de vista para a situação, antes de iniciar sua réplica.

3) Não aceite ofensas nem falta de respeito: claro que, se houverem ofensas, ou falta de respeito você NÃO DEVE ACEITAR! Porém, existem mil maneiras de impor respeito sem necessariamente ter que partir para a briga ou mesmo para insultos verbais em retribuição, a melhor maneira de se ganhar respeito é ser mais inteligente nas colocações e mesmo no meio do fogo não se alterar, assim você dá o exemplo e foge da contaminação pela ira. (…)

4) Agora sim! Entenda seu chefe: Após ouvir tudo o que ele tinha para falar, dê uma pausa, respire e entenda o ponto de vista dele. Conseguiu compreender? Então agora filtre a informação e antes de se estressar lembre-se do resultado final: Seu chefe vai querer voltar atrás da bronca depois! Pronto, agora é sua vez de mostrar dentro do contexto sua parte na história, se houve um erro, assuma e já leve uma solução. Isso mostra que errar é humano, mas o que vai mostrar que tipo de profissional você é, é a sua capacidade de reparar os danos e resolver os problemas. Agora se estiver certo, tente conduzir a discussão ao entendimento dos fatos e com certeza ele mesmo acabará reconhecendo que errou e se não pedir desculpas, com certeza mostrará muito mais calma e até uma certa admiração pela sua postura, isso é perceptível.

PONTOS FORTES: Saber expor seu ponto de vista e se posicionar diante das mais diversas situações, faz parte de nosso cotidiano. Respeitando e contribuindo com o desenvolvimento de seus superiores e colegas de equipe, ao longo de sua trajetória profissional, você consegue impor respeito e conquistar a confiança e admiração de todos.

ERROS FATAIS: Não conseguir manter seu controle emocional, não separar o lado pessoal do profissional, brigar, expor alguém a uma situação constrangedora ou ter crises de choro são erros fatais para alguém que precisa mostrar maturidade e ganhar a confiança de seus superiores e pares.

Fonte: Working on

Lidar com pessoas, definitivamente, é muito difícil mas ao mesmo tempo gratificante e edificante. É possível aprender tanto!!!

Outro artigo que me chamou muito atenção foi a do blog Executivos&Executivas. Vale muito a leitura:

É muito engraçado, para não dizer trágico, como é comum encontrarmos um número absurdo de pessoas  insatisfeitas e “indignadas” com os seus chefes. Muitas,inclusive, somatizam todos os seus sentimentos, e chegam a ter sérios problemas de saúde.
Acredite, eu já passei por isso um dia, eu já tive chefes e chefes …e, na outra ponta, também, ocupando um cargo de diretoria, já fui muito “hostilizada” por funcionários que trabalhavam no departamento em que eu dirigia.
Com isto, resolví transmitir à você um pouco da minha experiência…talvez ela possa lhe ser útil.

Situação número 1: Eu como subordinada.
Trago em minha coleção um número pequeno de chefes, apesar de ter em meu currículo 22 anos efetivamente trabalhados, pois passei por poucas empresas, mas nas que passei, trabalhei por um período grande.
Chefes são sempre chefes,e o que muda é a sua capacidade de se adaptar e saber lidar com ele.
Já passei noites em claro tentando entender situações estressantes que eu vivenciava durante o dia com o meu chefe, que me vejo até no direito de cobrar adicional noturno…sério, não estou brincando.
E o primeiro sentimento que me vinha era o de auto-piedade…que horror! Me sentí por várias vezes injustiçada, e achava que o meu trabalho não tinha o devido reconhecimento, enfim, já cheguei, inclusive, a me descompensar com o meu chefe.Eu sempre fui uma executiva muito comprometida com todos os meus projetos, e nas empresas em que trabalhei, eu as tinha como se fossem minha, e  talvez por isso, eu sempre me cobrei muito: sempre fui perfeccionista em tudo o que fiz e, consequentemente, achava que o meu chefe tinha por dever  me elogiar ,e reconhecer todos os meus feitos em prol de sua empresa a todo momento…que bobagem!

Situação número 2: Eu como chefe.
Sempre fui muuuuito exigente com os meus subordinados. Me incomoda um pouco dizer , mas o meu humor era medido de acordo com os resultados obtidos pela minha equipe.E mais: quanto mais a minha equipe produzia, mais resultados eu queria ter.Sempre fui muito parceira de todos, eu os acompanhava e os direcionava em todos os projetos, mas os cobrava insistentemente .Sempre achei que essa é a fórmula mais adequada para se “instigar” a sua equipe a produzir cada vez mais e mais.

O que aprendi com isso
Talvez você não tenha tido a oportunidade de vivenciar os dois lados da moeda em uma empresa ( ser chefe, e ser subordinado ), mas mesmo assim, ainda dá para você se auto-analisar na posição de chefe de família , chefe das suas vontades, enfim, chefe da sua vida.Já é um começo para você tentar me entender um pouco melhor.
Por exemplo, você, como chefe de família deve cobrar de seus filhos disciplina, ética,  resultados nos estudos, nos cursos que fazem, enfim, você sempre está educando, acompanhando, e ao final disso tudo, mesmo que de uma forma intrínseca, cobrando, não é mesmo?E isso, com certeza, deve provocar alguns momentos de estress, e até de pequenos desentendimentos entre você e os seus filhos.
Você não tem filhos?Talvez tenha uma empregada doméstica trabalhando para você…a relação é a mesma. Não tem empregada?Tem marido, tem amigos…e tem a sua própria vida para gerir. Então, você é chefe!
Por que coloquei todas essas situações? Para que você pare um pouco para refletir antes de reclamar e se sentir injustiçada ,ou sei lá o quê.
O tempo todo, e em todas as situações de nossas vidas cobramos e somos cobrados, e é impressionante como aquelas pessoas que se sentem muito incomodadas com cobranças são as que mais cobram…não é verdade?E veja bem, não vejo isso como defeito, pois acredito ser esse um dos caminhos que nos levam ao crescimento pessoal e profissional : tanto o seu , quanto o daqueles que te rodeiam.
Seu chefe está descompensado? Desarme-o com os resultados positivos que a sua competência proporcionou à empresa.
Ele está de mau humor por motivos pessoais? Converse com ele sobre assuntos agradáveis, tire-o dos problemas pessoais que estão lhe incomodando, e só depois, quando o clima estiver mais ameno, converse sobre as questões de trabalho.
Você não conseguiu os resultados de um determinado projeto para apresentar ao seu chefe? Surpreenda-o com projetos diferentes e ideias inovadoras.
E a melhor dica: desfrute, no bom sentido,do seu chefe. Observe-o, analise-o, e aprenda tudo o que for possível com ele.É de graça,e pode te ajudar muito no futuro Afinal, se ele está na posição em que está, deve ter coisas boas para te ensinar e servir de exemplo: as ruins, você dispensa!
Enfim, hoje eu compreendí que não existem chefes ou  funcionários…existem pessoas.
Agora, uma coisa que não  dá para aturar é chefe sem educação e sem ética: aí a coisa se complica, e o melhor que você tem a fazer é pegar o seu banquinho, e sair de mansinho
Adapte-se, camaleoa!
~ Regina Seixas

Bom, espero ter contribuído…

Anúncios

One thought on “Os chefes também choram

  1. Leonardo Montenegro diz:

    Todo trabalho que é feito com determinação e amor é sempre recompensado. Mas as dificuldades sempre serão muitas e árduas. Mas sempre que o trabalho for duro, sempre que parecer remar contra a mare, sempre que os problemas parecem maiores, lamente a cabeça, pise firme, se apoie nas pessoas que confia, não recue, bata de volta, com mais força, lembre-se de seus objetivo, do que lhe é importante e siga em frente. Nem tudo terá solução ou final feliz, mas a sensação de ter feito o melhor traz paz e certeza de dever cumprido.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s